Solidão: como preencher este vazio | Dr Carlos Veiga Jr.
386
post-template-default,single,single-post,postid-386,single-format-standard,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,columns-4,qode-theme-ver-13.9,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive
lidar com a solidão

Solidão: como preencher este vazio

Solidão: como preencher este vazio

Todos nós quando nascemos temos que lidar com uma sensação de separação/solidão. Esta sensação fica oculta, guardada na mente inconsciente, desde o momento em que perdemos a conexão com nossa mãe e começamos a viver em um mundo que entendemos como “externo a nós”.

É portanto muito normal que em várias situações da vida estejamos nos sentindo sós, seja porque nos mudamos de país, porque terminamos um relacionamento, pela morte de um ente querido, etc.

Sempre há algo no decorrer da vida que nos traz à consciência esta sensação de solidão.

Por certo, a sociedade está montada para dar respostas a esta necessidade de encontrar algo que preencha esta falta de alguma maneira, para que não possamos sentir este vazio, esta solidão profunda.

É precisamente por ser assim que acabamos preenchendo o vazio com coisas e situações que nos distraem e nos afastam cada vez mais da essência da unidade da qual formamos parte, nos obrigando a voltar a sentir o mesmo vazio mais adiante.

A forma de poder viver em um sistema que está desenhado assim é começar a soltar-nos, e a forma de começar a soltar-nos é começar a ser egoísta.

Egoísta no sentido da auto-escuta e não no sentido que nos ensinaram sobre o significado do egoísmo. Aqui, neste contexto, o egoísmo fala de introspecção, de ser capaz de abrir-se completamente a vida que você está vivendo justamente neste instante, tal como ela se apresenta.

Quando você olha para sua vida, certamente há aspectos dela que você não quer viver, que gostaria que fosse de outra forma. Quando sentimos, ainda que seja um mínimo de tensão em nosso corpo, significa que estamos rejeitando algo, que gostaríamos que fosse de outra maneira.

Esta é a prática principal: esta pessoa, relação ou circunstância que está diante de você, é o espaço onde você tem a máxima capacidade de aprendizado, porém observe que para poder aprender deste espaço, é imperativo vivencia-lo, aqui está a chave!

É necessário cruzar o com o pensamento de: “não quero viver isto”, para poder transcender a isto. É preciso atravessar o sistema de resposta automática de “quero mudar isto”, “não quero que seja assim”.

Portanto, é obrigatório passar por estas situações para poder auto-indagar-se: como me sinto dentro desta situação? Quem eu quero ser neste instante?

Faça uma busca agora mesmo em você, procure por uma circunstância indigesta que você gostaria de viver de outra maneira e perceba que você começará a sentir todo tipo de emoções e sentimentos que não deseja sentir, e aqui se abre a porta para a compreensão e o aprendizado.

Sem Comentários

Postar Comentário