Como se livrar do sentimento de culpa | Dr. Carlos Veiga Jr.
647
post-template-default,single,single-post,postid-647,single-format-standard,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,columns-4,qode-theme-ver-13.9,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive
sentimento da culpa

Como se livrar do sentimento de culpa

Como se livrar do sentimento de culpa

Poucas pessoas conhecem o poder do sentimento de culpa. A culpa é um arquétipo, um tipo de pensamento que possui uma dinâmica própria. Eles existem por si só, não é necessário pensar em um arquétipo para que ele tenha influência sobre nós.

É assim que funciona o sentimento de culpa e é por isso que sentimos culpa a todo instante, mesmo quando não estamos pensando nela.

A culpa é o sentimento mais corrosivo que um ser humano pode experimentar. Ela tem suas raizes bem fincadas no nosso sistema neurológico, na história da humanidade, nos dramas familiares, no inconsciente coletivo e no pessoal.

Esta dinâmica própria da culpa começa com uma idéia de que tomamos certas atitudes que acreditamos que não deveríamos ter tomado, dissemos coisas que não deveríamos ter dito e não fizemos o que deveríamos ter feito.

É um sentimento de inadequação que acompanha a todos os seres humanos, do qual não escapa ninguém.

E ela está entranhada profundamente na nossa história e nas nossas crenças.

O poder do sentimento de culpa

Nossos pais bíblicos foram expulsos do paraíso. Tudo ia indo muito bem, até que Adão e Eva fizeram uma grande bobagem, cometeram um erro imperdoável, e Deus os expulsou do Jardim do Éden.

Que terrível pecado teriam cometido nossos ancestrais para receberem tamanha punição?

Além disso, todos nós, com a excessão de Jesus Cristo que nasceu de uma virgem, nascemos de uma conjunção carnal. Ou seja, somos os filhos do pecado, somos filhos de um ato sexual.

Se isto tudo já não fosse o suficiente, nos imputaram a culpa pela morte de Jesus, sendo que ele mesmo nunca nos culpou por isto. Ouvimos muitas vezes dizer que Cristo foi crucificado para nos salvar.

Há mais de dois mil anos os ocidentais vivem sujeitos a estas crenças.

Estas histórias se enraizaram em nossa mente de tal maneira que não faz a menor diferença se somos cristãos, católicos, judeus, muçulmanos, budistas ou ateus.

A culpa funciona no automático e para todos!

Quando juntamos todas estas questões temos uma mistura poderosa, de potencial ilimitado, um potencial de ataque e destruição que só se compara a uma explosão nuclear, que também foi produto da culpa.

Como a culpa gera o vitimismo

Sentimos tanta culpa que não seria possível viver assim, então criamos um mecanismo mental de terceirização da culpa, atribuindo-a aos demais. Nasce o vício da vitimização.

E como tudo no universo está em equilíbrio, ao sentir-se vítima, você vibra para o campo quântico informando que está buscando um carrasco. Quando culpamos alguém estamos assumindo que a culpa não é nossa.

Se eu não sou o culpado é porque sou a vítima e nada melhor para equilibrar uma vítima que um castigador.

A culpa tem um poder incomensurável de perpetuar este ciclo vicioso de ataques e defesas mentais que esgotam qualquer energia psíquica e física.

Culpar os demais é uma estratégia da mente ego para perpetuar o sentimento de culpa em si mesmo. Enquanto estivermos viciados em culpar, sempre seremos escravos da culpa, experimentando-a ainda que não estejamos pensando nisso.

Como se livrar do sentimento de culpa e do vitimismo

Uma mente que se sente culpada não consegue encontrar a paz, porque, para estar em paz, é necessário se livrar do sentimento de culpa.

Portanto, para se livrar da culpa é necessário treinar a mente, aos poucos,  para reconhecer que você está sempre projetando sua própria culpa. Treine sua mente para desistir dos ataques, acusações, juízos de valor, críticas e fofoca.

Dezenas de circunstâncias acontecem diariamente para que possamos reconhecer isto.

É só manter a mente atenta, vigilante e desperta, prestando atenção aos ataques que disparamos diariamente. E assim que você reconhecer que culpou alguém ou a si mesmo, desista deste ataque inútil e sem sentido.

Como toda mudança de comportamento, deixar de lado o sentimento de culpa requer tempo e treino. E perdão genuíno.

O perdão é o antídoto para o sentimento de culpa. E em todas as experiências da nossa vida existem oportunidades para ele.

No entanto, não estamos falando do perdão da boca para fora, o famoso perdoo mas não esqueço, pois, este é falso, um truque do ego para seguir condenando e culpando.

Falamos do perdão genuíno que significa não ver mais o erro no outro, compreendendo que cada um tem suas razões para agir de uma forma determinada em um dado momento.

Porque ninguém toma uma atitude se não achar que tem razão.

Aqueles que treinam sua mente para prestar atenção às situações geradoras do sentimento de culpa, enxergam as oportunidades para exercitar o perdão genuíno.

Quando conseguem, começam a acostumar-se com a sensação de paz que, por sua vez, também é viciante.

Sinta o gosto doce da paz, desistindo do amargo gosto da culpa.

1Comment

Postar Comentário