É impossível mudar de vida? - Carlos Veiga JR.
1292
post-template-default,single,single-post,postid-1292,single-format-standard,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,columns-4,qode-theme-ver-13.9,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive
mudar de vida

É impossível mudar de vida?

Nós Seres humanos vivemos tentando mudar de vida. No entanto, criamos um tipo de vida que nos incomoda, um modelo de vida que não nos permite ser felizes, que bloqueia a paz, gera desconforto, produz raiva e adoece. Isto é fácil de evidenciar, basta olhar o número de ataques mentais que produzimos todos os dias, e o que é um ataque mental?

É uma crítica, um julgamento, uma condenação ou um comentário sobre a vida alheia.

Uma pessoa feliz não ataca outra pessoa, nem mentalmente nem verbalmente nem fisicamente, não critica nem julga, uma pessoa feliz jamais se ocupa de dizer o que os demais devem fazer ou deixar de fazer, porque tem consciência de que não sabe sequer o que é melhor para ela mesma, confia 100% na Mente Divina e desfruta do momento presente sem questioná-lo.

Como seres sociais evoluímos bastante do ponto de vista intelectual, evoluímos também sob a ótica cultural-social, e evoluímos vertiginosamente do ponto de vista científico-tecnológico, mas do ponto de vista da consciência não evoluímos nada, antes nos matávamos com paus e pedras, hoje nos matamos com armas químicas e bombas atômicas.

Este estado de consciência caótico nos causa um mal estar que por vezes é reconhecido, porém, na maioria das vezes não é.

São os chamados estresses de baixa intensidade que não estão aparentes, não se nota de forma evidente porque estamos quase sempre muito ocupados, pensando no nosso futuro ou no futuro dos nossos filhos.

Estamos sempre muito preocupados pela saúde dos nossos pais ou amigos, estamos angustiados por uma questão do passado, uma memória ou recordação de um conflito, uma discussão, uma inimizade, um abandono, uma frustração, um relacionamento que acabou, ou seja lá o que for.

O estresse de baixa intensidade está ali, como uma pequena pedra no sapato, algo que incomoda pouco e pode inclusive não nos obrigar a parar para resolver, temos a impressão de que podemos seguir suportando aquele pequeno desconforto, ainda que seja evidente que alguma coisa não anda bem.

Quando nos sentimos mal, temos um impulso de tentar mudar as coisas, afinal, se eu me sinto mal, algo devo fazer para mudar o que faz com que eu me sinta assim, porque eu acredito que sou o efeito do que me ocorre, e não a causa.

A ideia central do conflito sempre é a mesma, estou me sentindo assim, porque alguém não fez o que eu gostaria que fizesse, ou porque alguém fez algo que eu não gostaria que fizesse.

Normalmente nos sentimos mal porque algo não está saindo do nosso jeito, algo está escapando do nosso controle, alguém está fazendo o que quer, e não o que eu quero, o que me leva a pensar que tenho que fazer algo para mudar este alguém.

Esta forma de pensar está condicionada a princípio pela crença original, ou crença mãe, que também podemos chamar de pecado original, ou pensamento original que diz que nós estamos separados, das pessoas, das coisas e da Fonte Criadora.

E é precisamente ai que estamos caindo em um grave equívoco, duvidar da Divindade, ou duvidar que somos Filhos perfeitos de uma Fonte perfeita, não como corpo ou mente, mas como Seres sem forma, espíritos perfeitos, eternos e indestrutíveis.

A maioria de nós ainda duvida da vida eterna e da existência de uma Fonte comum, fomos ensinados a temer a Deus, não a confiar nele. Uma forma muito comum de verbalizar o equívoco é dizer Deus está em mim.

Como???

Uma mente desperta sabe que nada pode escapar da Consciência Criadora, nem mesmo um átomo, porque tudo faz parte da mesma existência, e só há uma existência.

Se isto é assim, e isto é assim, a forma correta de verbalizar este sentimento seria: “Eu estou em Deus”, e se eu como espírito estou em Deus, todos os espíritos também estão, só existe a Fonte, em qualquer circunstância, evento ou situação, sempre será Deus falando com Deus, ou não???

Ataque a um filho e estará atacando ao Pai, critique alguém e estará criticando Deus, ou não?

Quando nos sentimos mal pensamos em mudar de vida porque ela não está atendendo às nossas expectativas, e mudar de vida não é possível!

A única coisa que alguém pode mudar efetivamente é a si mesmo, quando alguém muda a si mesmo, muda sua realidade espaçotemporal, muda a vida. Porém quando não há este movimento de mudança de percepção, qualquer tentativa de mudança externa irá falhar, em curto, médio ou longo prazo, mas falhará.

Ainda que muito se diga e muito se venda em termos de técnicas, fórmulas e truques para conseguir dinheiro, notoriedade e poder, nada disso tem funcionado, nosso nível de consciência continua o mesmo e é impossível conseguir um resultado diferente usando o mesmo nível de consciência que gerou o caos.

Todos conhecemos histórias de pessoas que ganham muito dinheiro, que são muito famosas e vivem uma vida de solidão, angústias e ansiedades, distantes da paz e muitas vezes da saúde.

Por si só, e sem uma mudança interna na estrutura do pensamento, da mente dividida para a mente unidade, nenhuma mudança condutual pode trazer a paz definitiva, a saúde e o bem estar, porque estas coisas não dependem de ações, dependem de decisões.

Antes de mudar algo na forma de agir devemos mudar nosso estado mental e nosso nível de consciência. A mente que se sente separada de sua Fonte e dos demais sempre nos dirá que temos que fazer algo, e aí está a grande distração que nos engana. O ego só pensa em fazer, o Ser só quer ser.

As mudanças em termos de ações só são eficazes quando acompanhadas pela mudança radical na forma de perceber o mundo e os demais.

Só quando formos capazes de reconhecer que o nosso interesse não está por cima dos interesses de nenhuma outra pessoa estaremos dando este grande salto em consciência.

Neste sentido, elevar o nível de consciência depende da decisão de utilizar qualquer encontro como aprendizado, reconhecendo a utilidade dos eventos e circunstâncias, aproveitando todas as oportunidades para corrigir em nós aquilo que nos incomoda do outro. O que nos incomoda dos demais é nossa sombra projetada na tela do mundo, esperando por correção.

A verdadeira mudança não depende de pessoas ou acontecimentos, não se pode consegui-la através do mundo das formas, não se pode conquistá-la com dinheiro, notoriedade ou poder.

Estamos falando de uma mudança definitiva na forma de ver e entender a vida, reconhecendo a inversão de valores que tomou conta da mente humana, da nossa mente.

Muitos se dedicam a ensinar aos demais como mudar suas vidas, como ser mais prósperos, mais ricos, mais abundantes, mais felizes, etc, etc, etc, isto está bem, não faz mal nenhum ser prósperos e abundantes, porém já sabemos onde isto termina quando a saúde da mente e do corpo não acompanham a riqueza material.

Nossa proposta não é dar ferramentas para alguém mudar de vida, nossa proposta é dar ferramentas para que cada pessoa recupere o potencial inerente a todos os humanos de decidir mudar a si mesmo, e que possa fazer isso com confiança, tolerância, gentileza, alegria, generosidade, paciência, ausência de defesas, e mente aberta.

Nossa mensagem compartilha informações ancestrais aportando recursos para que cada pessoa mude a única coisa que ela pode mudar de forma efetiva e duradoura na vida, é ela mesma e sua forma de interpretar seu mundo particular.

Este é um procedimento trabalhoso e doloroso, portanto impopular que depende de negar a memória e nascer a cada instante com um olhar isento de julgamentos, tendo o perdão genuíno como procedimento de rotina, e olhando o mundo externo como sendo a projeção do seu próprio estado mental.

Estamos falando de um novo paradigma onde eu passo a assumir que sou a causa do que me ocorre, e não mais o efeito das circunstâncias externas. Para esta mudança ter efeito é necessário praticar dois valores fundamentais que são a humildade e a honestidade.

Neste sentido a humildade é o reconhecimento de que somos imagem e semelhança da Consciência Criadora, e portanto somos tão perfeitos quanto ela. Só os verdadeiramente humildes reconhecem isso na prática. Os que se sentem culpados estão na arrogância de acreditar que Deus pode falhar com seus Filhos, e vice-versa.

A honestidade neste contexto é dizer NÃO SEI. Eu não sei nada a respeito da natureza desta existência. Eu não sei nada sobre mim mesmo, sou um Ser em constante processo de construção, um gerúndio. Não sei o que é melhor para mim, não sei o que é melhor para o outro, e não tenho todos os dados para julgar.

Sou honesto, eu não sei!

Todos querem uma fórmula mágica, uma solução formatada, um “COMO”, algo que possamos fazer ou aplicar para mudar a vida e conseguir o que queremos.

Queremos que alguém nos diga o que fazer para conseguir ter o que acreditamos que não temos, seja porque não temos dinheiro suficiente para realizar nossos desejos, porque não somos felizes nos relacionamentos, ou porque as coisas não estão saindo do nosso jeito.

Desta forma estamos sempre no fazer e nunca no Ser, passatempo preferido do ego, a mente que se sente separada, um sistema de pensamento baseado em escassez, falta, carência e necessidades, o oposto da nossa verdadeira identidade que está ligada para sempre à Fonte de tudo que há, abundância plena.

Talvez o maior exemplo disto sejam os comprimidos da alegria vendidos nas drogarias das nossas cidades, comprimidos que pretensamente mascaram a depressão, os chamados sorrisos de farmácia, uma excelente forma de maquiar as coisas, a verdadeira solução “comprimida”, uma pena que não funcione.

Depois de um tempo, a vida volta a ser insuportável como era antes, e a dose da solução comprimida tem que aumentar, ou ser trocada por outra solução tão comprimida quanto a anterior, apenas com nome diferente.

Todas estas estratégias podem até funcionar durante um tempo mas depois tudo volta ao “normal” ou seja, voltamos a nos sentir mal, nos encontramos em situações desagradáveis, nossos relacionamentos falham, nossos parceiros não fazem o que queremos, desejamos nos separar, sobra dinheiro que acumulo ou nos falta dinheiro para realizar os projetos, a abundância de alegria se torna um mito, e a felicidade brilha pela sua ausência, me sinto mal e nem sei porquê.

As melhores Estratégias para ser Mais Rica, Próspera e Saudável

Quer ser mais próspero? não faça nada a este respeito além de mudar a forma como você pensa a respeito da prosperidade. Mude seus conceitos, definições e crenças a respeito do que é ser próspero, assuma a responsabilidade por não estar sendo próspero, e não culpe a ninguém pela sua experiência de falta de prosperidade.

Quando você mudar a sua forma de perceber e interpretar seu entorno, você se alinhará vibracionalmente com a prosperidade que deseja.

Quer ser mais rico? não faça nada a este respeito além de mudar a forma como interpreta as circunstâncias ao seu redor.

Identifique quais obstáculos você está impondo a si mesmo e deixe de buscar culpados por não ter os recursos econômicos que deseja. Você tem exatamente os recursos financeiros que necessita para este momento, nem um centavo a mais, nem um centavo a menos.

Não ter dinheiro muitas vezes é uma solução da mente inconsciente para não desfazer uma família, por certo parece ser uma solução irracional, mas nossa mente inconsciente é assim, não julga, usa o que está registrado pelas experiências familiares, e o que está registrado pode ser a ruína de uma família cujo chefe começou a ganhar dinheiro e se foi com outra mulher, por exemplo.

Quer ser abundante, não é necessário fazer nada a este respeito, a não ser mudar sua percepção em relação ao conceito de abundância, e a abundância é a capacidade de fazer o que é necessário fazer, quando é necessário fazer. Dinheiro é só uma das formas de abundância neste mundo, mas não é a única.

Quer ser saudável, adote o hábito saudável de não atacar com a mente, porque a mente não conhece o outro e envenenará as células do seu corpo enquanto você sente raiva, medo e asco.

Seria muito difícil adoecer se desde pequenos nossos pais nos dessem o exemplo de não falar de ninguém, não culpar nem sentir culpa e pudéssemos observá-los a assumindo a responsabilidade pelas próprias experiências de vida, independente das circunstâncias.

Não vimos nossos pais vivendo o aqui e agora, de forma neutra, aprendendo de cada encontro, pelo contrário, foi com eles que aprendemos a criticar, reclamar, mentir, esconder, e a falar mal dos demais. Eles também aprenderam a fazer assim com nossos avós, e assim por diante. Não se trata de criticá-los, apenas de fazer diferente.

Não é possível mudar a vida ou mudar de vida porque o que chamamos de vida é apenas a expressão externa do que levamos dentro, dito de outra forma, a vida de cada um é o reflexo de uma referência interna projetada externamente que chamamos de realidade, na qual cada ser humano experimenta exatamente aquilo que necessita para corrigir em si mesmo aquilo que reprova ou rejeita nos demais e assim evoluir do ponto de vista da consciência.

Quer de fato mudar de vida, não fale de outra pessoa em relação a você, se for falar de alguém, fale de você em relação ao outro. Este conselho não é uma dica fantástica ou um pensamento mirabolante, é um remédio eficiente para todos os males, não se trata de acreditar nisso, muito pelo contrário, estimulamos a todos que coloquem em prática o que estamos propondo mesmo sem acreditar, os resultados aparecerão como mágica, e neste caso, a mágica é você.

Sem Comentários

Postar Comentário

Se inscreva gratuitamente no meu treinamento
A NOVA MEDICINA