Como as emoções influenciam na luta contra o câncer? - Carlos Veiga JR.
1021
post-template-default,single,single-post,postid-1021,single-format-standard,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,columns-4,qode-theme-ver-13.9,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive
luta contra o câncer

Como as emoções influenciam na luta contra o câncer?

Segundo Carl G. Jung, as doenças são um esforço que a natureza faz para salvar o homem. Jung disse isso há mais de 100 anos, mas para a imensa maioria de nós isto ainda não faz nenhum sentido. O que isso significa na luta contra o câncer? Como um câncer pode me salvar? e me salvar de que? ou de quem?

Para o Dr. Ryke Hamer, da Nova Medicina Germânica, o câncer, como qualquer outra enfermidade, é o resultado de um Programa Biológico Especial com pleno sentido e coerência, como todos a Natureza que tem praticado com sucesso durante milhões de anos de evolução para nos trazer até os dias de hoje.

Obviamente os seres humanos ainda não existiam quando foram desenvolvidas as respostas biológicas que nosso organismo usa atualmente, estamos falando de muitos milhões atrás, quando ainda éramos seres unicelulares.

Todas as informações de todos os conflitos experimentados até hoje estão gravadas a ferro e fogo em nosso DNA, nesta molécula está toda informação da vida na Terra, desde que a primeira bactéria chegou aqui, nós somos o fim da linha, produto final de tudo que deu certo.

A ciência médica afirma que todos nós nascemos com onco-genes, por que será?

Se nós somos o produto final daquilo que deu certo, a conclusão mais óbvia é que os genes que causam tumores estão conosco por razões específicas, ou não?

Acaso a natureza joga contra a vida?

Alguém poderia pensar em algo deste tipo?

A informação de tudo que nos trouxe até aqui é contra nós?

Isto não tem nenhum sentido.

Basta olhar ao redor para evidenciar que tudo na natureza está em harmonia, a única exceção a esta regra é a mente do ser humano, e de onde mais poderia surgir a ideia de que as células de um determinado órgão ou tecido ficaram loucas?

Acaso não seria muito mais lúcido pensar que nós é que estamos loucos?

A matéria não tem a prerrogativa de tomar decisões, é a mente que as toma. O corpo é inerente à mente e não o contrário.

A primeira pergunta que deveríamos fazer quando adoecemos ou conhecemos alguém que adoeceu é:

Por quê a suprema sabedoria da natureza colocou genes que causam tumores no nosso DNA?

Seria para nos prejudicar? Este é o intuito da sabedoria universal? Seria esta a proposta da inteligência da natureza?

A vida em forma biológica vem enfrentando todos os tipos de conflitos há 3,5 bilhões de anos e superou todos, desde temperaturas baixíssimas a extremamente altas, todo tipo de predadores, profundezas oceânicas abismais, escassez de alimentos, escassez de luz solar, escassez de água.

Nada venceu a inteligência das bactérias e células. A prova é que estamos aqui, vivos e respirando, lépidos e fagueiros .

Nosso DNA tem recursos para resolver qualquer tipo de conflito e o aparecimento de tumores é um tipo de solução, sempre e quando a mente não encontre a solução de forma racional para um estresse, seja ele reconhecido ou não, a maioria não é reconhecido por estar justificado.

Nos acostumamos com uma ideia sem sentido de que a melhor solução para nossos problemas é que os demais mudem e façam aquilo que nós gostaríamos que eles fizessem, e está claro que isto é impossível.

A origem de todos as doenças é a mesma: não está saindo do meu jeito.

Ou alguém está fazendo o que eu não quero, ou não está fazendo que eu quero, não precisamos ir mais adiante com estas histórias.

Quando uma pessoa passa toda sua vida fazendo coisas para os outros (principalmente familiares) esperando que eles mudem sua conduta é porque acredita que o seu bem estar só pode chegar quando conseguir o que deseja, que os demais se adaptem às suas demandas, desejos, anseios e porque não dizer, caprichos, que na maioria das vezes é o que são.

A ciência atual nos fala sobre a metilação do DNA como fator decisivo do comportamento dos genes. Os radicais metila atuam como interruptores, impedindo nosso sistema imunológico de atuar corretamente.

Pesquisadores russos evidenciaram que quanto mais AFETO, CARINHO e CUIDADO, menos radicais metila são produzidos.

Estamos sempre com o emocional controlando a biologia. Ratas de laboratório que não lambiam suas crias (más mães) geravam descendentes com DNA muito metilado, quando estes eram colocados com outras ratas que lambiam suas crias (boas mães), o DNA se desmetilava.

A universidade de MacHill no Canadá nos demonstra como a Epigenética Condutual avança sobre o determinismo genético convencional. A ciência Epigenética explica como herdamos comportamentos dos nossos antepassados, e embora seja ciência, ainda é ignorada pela maioria da população.

Porque a luta contra o câncer se ele pode nos salvar?

A célula cancerígena tem o mesmo comportamento da pessoa com câncer: amadurecimento incompleto, rigidez às mudanças, ausência de limites, as células cancerígenas não fazem apoptose.

Apoptose é o relógio biológico da célula que diz o momento em que ela deve “morrer” para que outra nova possa ocupar o seu lugar e manter o corpo renovado.
A pessoa com câncer não sabe a hora de parar, não se impõe limites e aquilo que faz, sempre faz esperando reconhecimento, ao longo do tempo isto se transforma em um amargo ressentimento, muita raiva justificada, rancor não expressado e amargura, a tradução física destes sentimentos é conhecida com o nome de câncer.

Por não fazer apoptose, as células cancerígenas não param de crescer, não tem limites. São células imaturas que não reconhecem seu entorno, não interagem com o meio. As pessoas com câncer são rígidas e suas verdades são imutáveis, o entorno não lhes interessa, dedicam sua vida a uma tentativa inútil de controlar as pessoas para que tudo seja como elas gostariam que fosse.

Há umas características muito comuns entre estas pessoas, elas dedicam toda sua vida a viver para os demais, esperando que os demais mudem e são mestres na camuflagem de sentimentos, justificam absolutamente tudo.

Estão desconectadas da sua própria vida, exatamente como as células cancerígenas estão desconectadas do seu entorno.

Em sua maioria são pessoas que esperam por reconhecimento de seus sacrifícios feitos em nome, principalmente, da família.

Todos sabem das curas espontâneas do câncer e por hora não há nenhuma explicação para isso, quando muito dizem que se trata de um milagre.

Todos já ouviram falar de efeito placebo e para isso também não há nenhuma explicação, nem a do milagre!

Como uma pessoa pode se curar de uma grave enfermidade tomando comprimidos de farinha?

Será que já não está na hora de abrir a mente para no mínimo colocar em dúvida nossas crenças e enxergar sob uma outra ótica?

O que de fato está acontecendo? Será tão difícil mudar foco?

O que estamos fazendo com todo este dinheiro investido em pesquisas para cura do câncer?

Todos os anos no mundo são gastos bilhões de dólares na busca da cura do câncer e o que está acontecendo com o câncer? Está cada vez mais gordinho e robusto, a cada dia as estatísticas aumentam, tornou-se epidêmico.

Acaso alguém está dedicando um centavo sequer na busca da causa do câncer? Alguém tem notícia disso?

O Gerenciamento BioEmocional é um método complementar de qualquer tratamento, que convida as pessoas que desenvolvem câncer a reavaliar seu sistema de crenças, colocando em cheque todos os seus valores e definições ao menos uma vez para se dar uma chance.

Questionar qualquer coisa que passe pela cabeça com a finalidade de reconhecer acima de tudo que está interpretando percepções através de seus filtros particulares, está projetando seu mapa sobre o território, e seu mapa não é o território.

Convidamos a todas estas pessoas que se deem o benefício da dúvida em relação aos seus valores, permitindo-se mudar a forma de perceber e interpretar o mundo que os cerca.

Assim, compreenderão que sua forma de ver não passa de uma opção entre infinitas outras opções, e principalmente que sustentar suas crenças pode lhes custar a vida, na verdade já está custando.

Um preço excessivamente caro apenas para ter razão, defender seus posicionamentos e suas opiniões.

Convidamos estas pessoas a perceber que estão entregando sua saúde e seus melhores momentos para sustentar crenças que não são verdadeiras, tentando convencer os familiares de que sabe o que é o melhor para eles, sem sequer saber o que é melhor para si mesmo.

É provável que os familiares das pessoas com câncer se identifiquem com estas informações mais do que as pessoas que tem câncer, porque estas pessoas tem tudo justificado, tem respostas na ponta da língua para qualquer coisa. Mas ainda assim fica nosso convite.

Não é de se espantar que muitas pessoas digam que o câncer foi a melhor coisa que lhes aconteceu na vida. Graças à doença foram capazes de mudar de vida e hoje vivem integradas ao meio sem o desejo de transformá-lo.

Uma das formas de se chegar a este entendimento é a compreensão sem resistências de que a vida é instável em todos os seus aspectos, por mais que se queira encontrar estabilidade e controle.

Procuramos estabilidade a partir de uma perspectiva instável

Nossas relações com nossos maridos e mulheres são instáveis, assim como são instáveis nossas relações com os nossos filhos, e da mesma forma são instáveis nossas relações com nossos amigos, sócios, parentes, colegas de trabalho, e toda e qualquer relação humana.

Toda tentativa de controle é mera perda de tempo e um gasto excessivo de energia vital, energia extremamente necessária para ativar nosso sistema imunológico.

O Gerenciamento BioEmocional não é terapia alternativa, é um método de consulta que investiga a origem emocional daquilo que chamamos de sintomas físicos ou conflitos pessoais. Ele faz a conexão entre as informações inconscientes que herdamos dos nossos antepassados com as informações que recebemos na vida intra uterina, mais as informações que recebemos durante a infância precoce, somando com as experiências que experimentamos durante a nossa vida.

Todas estas informações nos fazem repetir as histórias não como um pesado fardo a carregar, mas como uma benção de agradecimento pela oportunidade de aprendizado.

Não encorajamos nenhuma pessoa a desistir de orientações ou tratamentos médicos. Pelo contrário, quando uma pessoa desenvolve um tumor, o primeiro que deve fazer é procurar um médico, e em seguida investigar PARA QUE a natureza lhe deu este tipo de solução.

Nesse contexto, responder as perguntas a seguir pode ajudar muito.

Qual conflito mental não foi solucionado?

O que é que mais me incomoda de meu marido/mulher?

O que é que mais me incomoda dos meus filhos?

O que eu faço pelos meus pais e me desagrada?

Qual estresse estou carregando por décadas e já não reconheço mais?

De quais formas estou justificando o que me incomoda?

Quais justificativas uso para seguir aceitando o que eu não aceito do outro?

O que é que me dói muito ver e já tenho as justificativas para seguir vendo?

Quem eu quero mudar e já nem sei mais o que quero desta pessoa?

Para que acredito que mudar a mim mesmo é impossível?

Que comportamentos herdo dos meus pais e avós?

A quem eu quero mudar?

Para que eu quero que esta pessoa mude?

O que eu fiz a mim mesmo por esta pessoa?

Quem é o responsável pelo pior que eu já passei na minha vida?

Que eu consigo culpando esta pessoa?

Que eu posso aprender desta situação?

Por quem sou bom e me sacrifico?

Que peço a esta pessoa em troca?

O que acredito que esta pessoa me deve?

Que eu devo a mim mesmo?

De que sou culpado?

Que recompensa tenho sentindo culpa?

Que aconteceria se eu estivesse equivocado?

Quem repete a mesma crença que eu no meu entorno familiar?

Que parte de mim eu perderia se me abrisse a escutar a opinião dos demais?

O que eu quero de fato conseguir do outros?

Eu poderia conseguir a mesma coisa de forma mais ecológica para mim?

Estejamos certos de que está havendo um movimento de despertar para algo que vai mais além do que está diante dos nossos olhos.

Faça você também parte deste movimento, flexibilizando seu sistema de crenças e valores para viver uma vida coerente e em harmonia com a natureza, permitindo que cada pessoa experimente suas experiências como deseja experimentar, sem tentar impor uma forma determinada de ver que é apenas uma opção e nada mais.

Estejamos despertos o suficiente para saber que o amor não controla nada, o amor liberta e dá sem pedir nada em troca, qualquer coisa fora disso é medo e apego. Convidamos a todos os que hoje convivem com estes sintomas, seus familiares, amigos e qualquer pessoa a viver uma vida amorosa, saudável e em paz.

OBS: O Gerenciamento BioEmocional é um método que investiga as origens emocionais dos conflitos que experimentamos durante a vida, sejam eles manifestados através de sintomas físicos ou não. Não encorajamos nenhuma pessoa a desistir de orientações ou tratamentos médicos

Sem Comentários

Postar Comentário