Escute seu coração. Ele conhece as respostas! - Carlos Veiga JR.
343
post-template-default,single,single-post,postid-343,single-format-standard,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,columns-4,qode-theme-ver-13.9,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive
escute seu coração

Escute seu coração. Ele conhece as respostas!

Não busque soluções apenas na sua mente. Escute seu coração!

Quando você se encontrar mal, escute seu coração, pois, tem que haver uma resposta em algum lugar que ajude a entender as razões para estar se sentindo dessa maneira. Afinal, não pode ser por simples má sorte, ou porque algumas células se reúnem e dizem:

“Vamos fazer um câncer aqui porque é muito divertido!”

As características biológicas de uma célula cancerígena correspondem exatamente às características psicológicas de uma pessoa enferma de câncer. Uma célula cancerígena é uma célula indiferenciada e imatura. É uma célula desconectada da realidade, que perde uma capacidade intrínseca de todas as células que é a apoptose (relógio biológico que diz a hora de “morrer”). Portanto, ela não tem limites e, ao final, acaba morrendo ou matando.

Uma pessoa com câncer é alguém que está, em certo aspecto, desconectada da sua realidade pessoal, que não vive sua própria vida, mas a vida dos demais. Ela está apenas conectada em sua mente, sendo uma pessoa que não se impõe limites, que permite que os demais façam ou deixem de fazer.

São pessoas que acreditam que o que fazem é por amor aos demais, no entanto o fazem por desamor a si mesmas. Vivem com sentimento de culpa. Justificam absolutamente tudo e morrem porque esperam durante toda vida que os demais mudem. E como eles não mudam, isto acaba se transformando em um amargo ressentimento.

Estas pessoas estão sobretudo desconectadas de seus corações, são super racionais e acreditam que a mente pode resolver qualquer coisa,  pensando que o que a mente diz provém do coração.

Se você se sentir enfermo, tendo câncer ou não, escute seu coração. Essa é a única coisa que você deve fazer. Conecte-se com seu coração e pergunte:

“Que devo fazer aqui?”

Talvez a resposta seja dizer um adeus, simbólico ou não, à sua mãe, colocar limites à sua irmã, não ver mais o seu ex-marido ou esposa, e tantas outras coisas que lhe permitam seguir a vida sem se importar com a opinião dos demais, dando graças a si mesmo por estar vivo.

O câncer está nos matando porque NÓS estamos nos matando.

Quando a mente não escuta ao coração, este perde seu campo magnético e as pessoas acabam morrendo por estresse e esgotamento, cansadas de lutar, de buscar soluções através da mente.

Algumas vezes o coração diz: melhor que não veja mais sua mãe, que se separe deste marido, que vá a outro lugar, e não escutamos. A mente dirá com todas as suas razões, “Ah, é pelas crianças… é o pai delas, é a avó, o avô” e tantas outras coisas, como estas, que justificam os desastres da vida e suas relações tóxicas.

O coração é o único órgão do corpo que não adoece com câncer (o pericárdio sim, em um conflito de desproteção) porque a única coisa que o coração faz é parar.

Acreditamos que morremos de câncer quando em realidade morremos porque nosso coração está aborrecido de tanto sussurrar e não ser escutado.

Portanto, escute seu coração.

Dia 27 de janeiro estaremos em São Paulo para mais uma Palestra Presencial sobre o método do Gerenciamento BioEmocional e como suas emoções e seu inconsciente estão afetando sua saúde.

E você poderá tirar todas as suas dúvidas diretamente comigo! Inscreva-se clicando AQUI!

1Comment
  • Maria
    Postado às 22:24h, 31 janeiro Responder

    Perfeito! Grata.

Postar Comentário