Enxaqueca: descubra porquê você sofre tanto - Carlos Veiga JR.
1398
post-template-default,single,single-post,postid-1398,single-format-standard,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,columns-4,qode-theme-ver-13.9,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive
conflitos emocionais

Enxaqueca: descubra porquê você sofre tanto

A enxaqueca é uma dor de cabeça muito intensa que atinge milhares de pessoas no Brasil. Quem sofre desse sintoma sabe o quanto é difícil conviver com ele. Muitas vezes é necessário ficar num quarto escuro por dois dias, sem nenhuma frestinha de luz ou ruído.

Vamos falar sobre essa dor de cabeça terrível que não passa com remédio nenhum, que não passa por mais que você se esforce e tudo que você faz é inútil. 

Hoje já existem medicamentos que são muito potentes, que dão uma solução temporária, mas são analgésicos muito potentes, que, certamente, embutem algum efeito colateral.

Mas, porque elas ocorrem? Quais os conflitos emocionais que desencadeiam esse sintoma? Existe solução? É o que vamos ver neste artigo.

Como surge a enxaqueca

Essas dores de cabeça, chamadas de enxaquecas, parecem, muitas vezes, com pródromos.

E o que são pródromos?

Em medicina chamamos de pródromo aquilo que a pessoa começa a sentir antes de ter o sintoma. Por exemplo, muitas pessoas têm coceira no lábio ou na região genital um dia antes de aparecer um herpes. Isso é um pródromo.

Então, a enxaqueca começa como pródromos para muitas pessoas, esses sinais que o corpo vai dando de que vai acontecer alguma coisa.

Com o tempo, a pessoa que passa por isso tantas vezes que já começa a saber quando a enxaqueca vai acontecer. 

Um pródromo muito comum na enxaqueca é o que nós chamamos de escotoma cintilante, que é quando a pessoa fecha os olhos e começa a ver uns brilhos, algumas coisas cintilando.

E muitas pessoas quando começam a ter um pródromo, já tomam o analgésico potente. 

Inclusive, muitos neurologistas e, até mesmo, clínicos recomendam que se faça isso, ou seja, que não se permita que a enxaqueca se instale para depois usar um analgésico, porque ele terá uma capacidade menor de combater o sintoma. 

Para isso, você precisa estar muito consciente dos pródromos e tem pessoas que não apresentam pródromo nenhum, ou seja, o corpo não dá nenhum aviso de que aquilo vai acontecer.

Esse artigo não tem a finalidade de bater o martelo sobre a enxaqueca dizendo que ela funciona assim ou assado. Não podemos fazer isso porque estamos falando de um sintoma físico que é multifatorial e não linear.

O que nós podemos fazer é investigar o sintoma, porque sabemos que não existe acaso no universo, tudo tem seu para que e é isso que eu posso investigar.

Tudo tem uma finalidade, não cai nenhuma folha de uma árvore se não tiver que cair, de acordo com o campo quântico. Outros chamam de Deus, Cosmo, inteligência Universal, ou outro nome qualquer.

É um sistema organizado, é um sistema que está o tempo todo em equilíbrio. A única coisa no sistema que não está em equilíbrio é a mente do ser humano.

E, através dela, os sintomas se desenvolvem de acordo com a necessidade de cada um. São os programas biológicos da natureza. A enxaqueca é um desses programas da natureza.

A natureza veio se adaptando a bilhões e bilhões de anos e nós somos o produto de tudo que deu certo, portanto, temos a solução no nosso DNA para tudo.

A enxaqueca é uma solução biológica que a natureza criou para alguns tipos de conflitos psicológicos. 

Também pode ser um conflito psíquico, mas na maioria das vezes é um conflito psicológico. Para quem não sabe a diferença entre um conflito psíquico e o psicológico, o conflito psíquico ocorre na minha psique, ou seja, é um conflito mental, mas ele é real, é fruto de algo está acontecendo.

Por exemplo, eu fui mandado embora do trabalho e estou vivendo esse drama. No entanto,  a maior parte dos conflitos do ser humano não são psíquicos e sim psicológicos, ou seja, são invenções da mente.

O conflito psicológico é algo pelo qual eu sofro, mas não está acontecendo, não é real, fui  eu que inventei.

Por exemplo, combinei com meu filho para ele chegar meia-noite, já é meia-noite e meia e ele ainda não chegou. E eu fico desesperado, começa a palpitar o coração, começa a me dar falta de ar.

Eu começo a achar que vou morrer, achar que o meu filho está na delegacia, no hospital ou, até, morto. 

E não é nada disso, ele pode estar no motel com a namorada.

Então, isso é um conflito psicológico.

Portanto, a enxaqueca pode acontecer por motivos psíquicos ou psicológicos, sendo que, na maioria das vezes, será psicológico. 

A causa da enxaqueca não é apenas uma questão emocional. A base do sintoma físico é uma emoção porque há um julgamento. Sempre que existe um sintoma físico é porque houve um julgamento.

Quando aparece um sintoma físico é porque eu estou condenando alguém, uma ou várias pessoas ou uma entidade, que pode ser o governo, por exemplo. 

Todo sintoma físico aparece porque eu estou condenando alguém que está fazendo algo que eu não gostaria que fizesse, ou não está fazendo algo que eu gostaria que fizesse.

Isso provoca uma necessidade que pode ser psíquica ou psicológica, o que não faz diferença para nosso inconsciente, que não distingue o que é real ou imaginário. 

Quando eu invento uma história e começo a sofrer por causa dela, meu inconsciente acredita que é real e me encaminha uma solução. 

Por exemplo, a enxaqueca pode ocorrer por causa de uma desvalorização intelectual para pessoas que são muito controladoras. 

Todos nós somos, em maior ou menor grau, um pouco controladores, mas algumas pessoas levam esse comportamento a um extremo, uma luta interna, onde nada pode escapar do controle.

Para essas pessoas que são extremamente controladoras, a enxaqueca pode aparecer na fase de estresse, ou seja, quando alguma coisa está escapando do meu controle e aí, surge a enxaqueca, como uma forma de solução. 

Evidentemente, esse processo é inconsciente, não tem como racionalizar. Nosso inconsciente vai mandar uma solução biológica, não importando se for um sintoma, porque ele quer resolver o problema. 

Nas pessoas que não têm esse perfil extremamente controlador, mas possuem o hábito de quererem uma solução racional para tudo, e que sofrem com a desvalorização intelectual, a enxaqueca pode surgir na fase de solução do estresse, principalmente nos períodos de descanso. 

Nestes casos, seriam as noites, os finais de semana ou durante as férias.

Como resolver a enxaqueca

Muitas pessoas passam décadas pensando e buscando uma solução para o conflito, para algo que está incomodando muito. Mas, essa pessoa nunca aprofunda esse pensamento até o coração, ela sempre deixa no nível intelectual.

Ela nunca busca uma solução que passe pela amorosidade, é sempre uma solução racional. 

Porque se ela fizesse isso, se buscasse as origens do problema, encontraria uma solução pacífica, amorosa e compassiva.

Quando você aprofunda um pensamento de estresse, se isso for feito, realmente, com compaixão por si mesma e pelo outro, no fundo de tudo o que existe é paz profunda e  felicidade completa, mesmo no meio de uma depressão terrível, mesmo passando por um conflito de uma tristeza enorme.

Qualquer pensamento que você for capaz de sair do racional e se aprofundar, cada vez mais, investigando cada vez mais, buscando a ligação desse pensamento com o entorno do que você está vivendo agora.

Não com o que aconteceu durante o dia, ou semana passada, ou ano passado, mas buscar o que esse pensamento tem a ver com o que está acontecendo agora. Significa buscar a conexão da experiência com o pensamento.

Esse processo vai ajudar muito na hora do remédio fazer efeito, ou. até mesmo, que nenhum remédio seja usado. 

Existem muitos aspectos da enxaqueca. Algumas pessoas têm enxaqueca severa depois que bebem muito, e até conseguem definir se é a bebida destilada ou não.

Tudo isso também pode estar ligado a dramas, ou seja, situações conflituosas vividas pelos nossos familiares que podem disparar uma sensação de perigo e aí eu entro em um  estresse que não consigo reconhecer.

Mas sempre terá uma conexão com um estresse presente ou passado. 

Qual o sentido biológico da enxaqueca

Porque será que a natureza entendeu como sendo fundamental me dar uma terrível dor de cabeça? Tem a ver com a vasodilatação.

Quando eu sou muito controlador e estou tentando controlar um estresse, sem conseguir, a natureza aumenta o calibre dos vasos que levam sangue para o cérebro e eu faço uma vasodilatação cerebral com o objetivo de levar mais nutrientes para o cérebro. 

Isso aumenta a pressão intracraniana. 

Inclusive, o local onde ela é aumentada tem a ver com o conflito emocional. Se for mais frontal,  e muitas vezes essa pressão intracraniana aumentada ela pode ser frontal quando estiver lidando com um conflito mais concreto. 

Quando é um conflito mais elevado de caráter espiritual, ou coisa assim, ela pode ocorrer mais na parte de cima da cabeça. 

Também existe a enxaqueca pré-menstrual em mulheres que se sentem muito desvalorizadas, quando a mulher pode não se sentir à altura do macho, ou de ser mãe, ou quando tem muita coisa para fazer e acha que não vai dar conta de tudo.

Em resumo, a ideia do inconsciente é levar mais sangue, mais oxigênio, mais nutrientes para o cérebro poder trabalhar melhor e tentar encontrar essa tal resposta que eu busco na mente. 

Mas, para todos os tipos de enxaqueca, é importante reconhecer, do ponto de vista emocional, qual foi o pensamento, qual foi o julgamento que você fez que levou ao surgimento da enxaqueca.

Porque você está mantendo esse pensamento, perpetuando esse estresse e o estado emocional que foi gerado. 

Então é preciso identificar o pensamento que detonou todo esse processo. Pode ter sido uma crítica, uma reclamação, uma condenação, que são todos julgamentos que fazemos. 

O importante é saber que sempre há algo a se fazer para identificar esse julgamento, desfazer esse estado emocional e sair do estresse.

Isso é algo que você sempre pode fazer. 

Avalie cada palavra, cada imagem relacionada à situação que iniciou o processo. E vá levando para o coração.

Vou contar um caso para ilustrar. Eu tive um cliente que sofria com enxaqueca e ele trabalhava na área de controle de qualidade de uma empresa. Essa escolha já vinha de um histórico familiar, porque ele era uma pessoa extremamente controladora que foi controlar a linha de produção da empresa. 

E ele sofria com estresse a semana toda, porque não admitia que nenhum defeito, por menor que fosse, passasse por ele. 

Chegava no final de semana e passava o sábado e domingo com enxaqueca. 

Também pode acontecer com profissionais que não se acham à altura do trabalho, acham que não vão dar conta, ou sofrem com a autodesvalorização. Não é que ele seja desvalorizado pelas pessoas, a própria pessoa se desvaloriza.

E, para o inconsciente, isso basta. 

 Não estou dizendo que a enxaqueca depende apenas disso que estamos discutindo aqui. Ela também depende de problemas familiares, da epigenética condutual, do perfil psicológico da pessoa. 

O objetivo é fornecer ferramentas para que as pessoas se conscientizem do problema e possam reconhecer as origens do sintoma na vida delas. 

 É claro que o exercício que passei aqui requer treinamento, pode ser que os resultados não surjam na primeira vez, mas é importante que você persista. 

É um processo de aprendizado em busca de mais saúde física e emocional. 

 

Sem Comentários

Postar Comentário