Diabetes: entenda a abordagem do Gerenciamento BioEmocional - Carlos Veiga JR.
128
post-template-default,single,single-post,postid-128,single-format-standard,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,columns-4,qode-theme-ver-13.9,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive

Diabetes: entenda a abordagem do Gerenciamento BioEmocional

Diabetes: entenda a abordagem do Gerenciamento BioEmocional

No diabetes estão envolvidos conflitos de repugnância, asco e resistência. A falta de insulina faz com que o açúcar se acumule no sangue e não passe para as células. O açúcar é um anticongelante e como estamos falando de sangue podemos deduzir que tem a ver com que as relações são muito frias.

Como se trata de uma enfermidade autoimune, as relações frias são consigo mesmo:

“Como me relaciono comigo mesmo?”

É uma das perguntas que as pessoas com diabetes deveriam se fazer. Outras poderiam ser:

Me sinto isolado? De que ou de quem me isolo?

Minhas relações me repugnam, me dão asco?

Muitas vezes tenho que aguentar situações de “imobilidade” ou imobilismo (apego às tradições)?

Tenho que resistir; tenho que ser eu; querem me mudar; querem que eu seja de uma determinada maneira.

Tudo isso pode ser vivido em solidão e isolamento. A diabetes também é um conflito de dividir a família, de suspeitar dos demais. Sentir desconfiança, acreditando que podem enganar você.

Pessoas que não confiam nem na família nem em ninguém, vivem suspeitando de outros ou acham que os outros suspeitam dela.

Estas pessoas estão em um labirinto emocional do qual não são capazes de sair por conta própria. Necessitam de acompanhamento para se desligarem de programas tóxicos que estão controlando sua vida.

O Gerenciamento BioEmocional lança um olhar holístico sobre a Diabetes e permite que a pessoa reencontre a si mesma e ache uma saída. O corpo seguirá a cura do conflito emocional.

Sem Comentários

Postar Comentário