Autismo: obstáculo ou oportunidade? - Carlos Veiga JR.
336
post-template-default,single,single-post,postid-336,single-format-standard,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,columns-4,qode-theme-ver-13.9,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive
autismo

Autismo: obstáculo ou oportunidade?

Autismo: obstáculo ou oportunidade?

Quantas famílias vivem o drama de reconhecer que estão diante de um filho com autismo? O fato é que o autismo pode incomodar muito mais aos que estão ao redor, do que ao próprio envolvido.
Essas questões serão abordadas do ponto de vista do Gerenciamento BioEmocional, a fim de dar oportunidade a uma compreensão diferente da convencional e oferecer uma perspectiva mais abrangente, que permita àqueles que lidam com isso, de forma direta ou indireta, tirar maior proveito da experiência, com possibilidade de melhores resultados para todos.
O autismo ou TEA (transtornos do espectro autista) implica em comportamentos que excluem e separam os sujeitos da realidade, em uma tentativa de retirar-se sobre si mesmo e sobre seu mundo interior. Nos TEA, observamos sintomas como: tornar-se mudo (silêncio em momentos determinados), retração emocional ou afetiva, ausência do “eu” em algumas fases, dificuldade para olhar nos olhos e, sobretudo, manter uma conversação.
Funcionam como na maioria dos transtornos ou enfermidades, em graus variáveis, dependendo da gravidade e da duração dos dramas associados.
O Dr. Dirk Hamer da Nova Medicina Germânica, classifica-o como uma constelação da mucosa laríngea (susto e/ou medo no território) e das mucosas do estômago, pâncreas e vias biliares (nojo no território).
Para a NMG, uma constelação se dá quando ambos os hemisférios cerebrais estão afetados com massas conflitivas. Em outras palavras, houve impactos emocionais de naturezas distintas em ambos os hemisférios, neste caso, medo ou susto em relação à laringe, somado a um conflito de cólera, raiva e nojo no território, por parte das vias biliares, estômago e pâncreas. Quase sempre, são segredos familiares ligados à culpa e a grandes vergonhas inaceitáveis.
Está relacionado com o estudo da árvore genealógica porque são conflitos de longa data e estruturados na família. Estes transtornos também têm relação com o que chamamos de Projeto Sentido Gestacional, período que vai desde nove meses antes da fecundação, até aproximadamente os três anos de idade.
Neste período, não há uma mãe e um filho, o que existe é um binômio indissociável mãe-filho. Todas as emoções vividas pela mãe – raiva, ira ou cólera, tristeza, medo, alegria ou asco – são experimentadas de forma mais contundente pelo feto ou pela criança que está formando sua rede neuronal no ventre materno e seus atalhos neurológicos, depois do nascimento.
Esta maneira de empatizar com o estado emocional da mãe é a primeira forma de aprendizado, todas estas emoções são biológicas e não psicológicas, são elas que permitem que possamos viver e cuidar das crias; sendo assim, não são exclusivas dos humanos, são encontradas em todos os animais, deixando marcas inapagáveis no sistema nervoso, pegadas neurológicas eternas, trilhas por onde o cérebro vai otimizar seu funcionamento.
O sentido biológico do autismo é a fuga. É uma constelação territorial que produz uma sensibilidade extrema. A natureza encontra uma solução biológica antes que a pessoa possa produzir um desequilíbrio que a deixe exposta e vulnerável. A melhor solução é fugir do confronto com os perigos que o mundo oferece e centrar-se no gerenciamento do próprio território, sendo ele de caráter físico, intelectual e/ou criativo.

Tipos de comportamento no autismo

Há dois tipos de comportamento no autismo: o ativo e o passivo.
Neste ponto, faz-se necessário observar os termos “mania” e “depressão”, já que o autismo ativo está relacionado com o comportamento maníaco e o passivo, com o depressivo.
Quando falamos de “mania”, não estamos referindo-nos a uma pessoa maníaca, ou cheia de manias, mas a um comportamento tipicamente masculino, com base na ação (mania = ação), controlado pelo hemisfério esquerdo, que gerencia a testosterona.
Quando nos referimos à depressão, não significa um estado de depressão clínica ou psicológica da forma como estamos acostumados a entender; trata-se de um comportamento feminino, controlado pelo hemisfério direito, que gerencia a produção de estrógenos (depressão = retração).
Na natureza, em caso de estresse, os machos enfrentam e as fêmeas fogem, o que corresponde ao papel desempenhado por cada gênero e regulado diretamente pela produção dos hormônios sexuais. Em situações determinadas, as mulheres podem exercer papel masculino e os homens, papel feminino, pela inversão da produção hormonal, através da troca dos hemisférios.
O autismo “ativo” ocorre quando a pessoa está vivendo um conflito de susto-medo. O hemisfério esquerdo é bloqueado por uma massa conflitual, diminuindo a produção de estrógenos, o que gera um comportamento maníaco acentuado. Neste caso, o indivíduo passa a agir de maneira psicótica, apresentando hiperprodutividade em seu próprio mundo.
É possível notar em muitos artistas e cientistas este tipo de conduta. Quando a constelação autista é somada à constelação mito-maníaca, dá lugar a escritores excepcionais.
O autismo “passivo” ocorre quando a pessoa está vivendo um conflito de nojo no território, o hemisfério direto é bloqueado pela massa conflitiva, a produção de testosterona diminui e o comportamento depressivo acentua-se. Pode-se observar uma oscilação que vai desde uma retração psicótica total, até uma timidez considerada “normal”.
Estes conflitos, ligados à memória transgeracional, estão estruturados na mente inconsciente, aquela que gerencia de 96 a 98% da psique humana, não estando sujeita a racionalizações, entendimentos, compreensões ou interpretações da mente consciente, que se dá conta apenas de 2 a 4% do que se passa.
Para que se tenha uma noção do que isto representa, a mente inconsciente processa aproximadamente 40 milhões de bits de informação por segundo, enquanto a consciente processa 2 mil, segundo o biólogo molecular Bruce H. Lipton.

De onde surge o autismo

Em uma quantidade significativa de casos, o autismo é o resultado de incestos genealógicos. Pais com filhas, irmãos com irmãs, tios com sobrinhas, tias com sobrinhos, primos com primas, entre outros.
A gravidade através da qual a constelação autista manifesta-se emocional ou mentalmente, dá-se pela magnitude dos conflitos envolvidos. Seria como endossar o desejo inconsciente da família de ser aquele que representa a prova viva da vergonha, muitas vezes sexual.
O autista permanece bloqueado a nível mental, porque continuamente busca verificar se o que pensa, sente e diz é correto ou não. Verifica e volta a verificar, uma e outra vez, até que o cérebro decide que o melhor é não se comunicar, permanecendo calado.
Estamos no mundo do proibido, os autistas estão escondendo segredos de família, incestos, violações, assassinatos, suicídios, mortes violentas e muitas outras coisas que não devem sair à luz do conhecimento por representar uma vergonha familiar inaceitável.
A seguir, alguns pensamentos ou intenções comuns nos autistas:
“Não tenho direito a errar, seria a morte.”
“Os critérios que devo alcançar são tão altos que é mais fácil retrair-me dentro de um mundo particular, ao invés de ter que prestar contas aos outros (pais, professores, autoridades, etc).”
“Fujo de uma situação muito dolorosa em meu entorno.”
“Rejeito enfrentar a realidade física do mundo exterior porque maltrata minha sensibilidade.”

O que podemos aprender com o autismo

Os autistas são extremamente sensíveis e são projetados pelo clã para resolver os conflitos transgeracionais, quase sempre ligados a fatos inconfessáveis. Sair da fase autista, a mal chamada “enfermidade”, só depende daquele que a vive, de ninguém mais; porém, sua saída nunca corresponderá a uma expectativa da sociedade pela “normalidade”.
Os autistas não compreendem o que o mundo chama de “normal”, não veem coerência no mundo e é justamente por isso que, quase nunca, encontram um caminho de saída. Além disso, são grandes mestres para os que os rodeiam, já que mostram um caminho da verdade que se perdeu há tempos atrás e do qual nem sequer somos conscientes.
Ver o mundo perdoado pelos olhos de uma criança, exatamente como nos pediu um grande mestre que passou por aqui, há mais de dois mil anos atrás. Os autistas ensinam que é possível viver sem falar mal dos demais, sem julgar e condenar, vivem para demonstrar que o mundo pode ser um lugar de paz duradoura e de perdão genuíno.
Para aqueles que se interessarem pelo tema do PSG, recomenda-se o material dos médicos franceses Dr. Salomon Sellan, Dr. Claude Sabat, Dr. Christian Flèch e, ainda, dos psicólogos franceses Dr. Marc Frechèt, Drª Françoise Dolto e os psicanalistas húngaros Dr. Nicolas Abraham e Drª Maria Torok.
Quanto ao tema do estudo da árvore genealógica, também conhecido como Transgeracional ou Psicogenealogia, procurar por Anne A. Schuatzemberg ou Josephine Hilgard; e, ainda, para aprofundamento da Epigenética Condutual, buscar pela Universidade de McGill, Montreal, Canadá.
OBS: O Gerenciamento BioEmocional é um método que investiga as origens emocionais dos conflitos que experimentamos durante a vida, sejam eles manifestados através de sintomas físicos ou não. Não encorajamos nenhuma pessoa a desistir de orientações ou tratamentos médicos.
1Comment
  • Nelson L
    Postado às 13:57h, 24 março Responder

    Muito bom!

Postar Comentário