As 3 Regras da Mente - Carlos Veiga JR.
992
post-template-default,single,single-post,postid-992,single-format-standard,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,columns-4,qode-theme-ver-13.9,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive
regras da mente

As 3 Regras da Mente

René Descartes disse há mais de 300 anos que para examinar a verdade é necessário, uma vez na vida, colocar todas as coisas em dúvida o máximo possível.

Isto inclui o que cada um pensa sobre si mesmo e sobre a vida, aprendendo a escutar a partir do silêncio interno, sem criar uma resposta automática ao que está sendo dito.

Para fazer este poderoso exercício podemos utilizar um método infalível e muito simples, de 3 passos.

Passo 1: não acredite em mim

O que estou lhe contando é apenas a minha percepção, a verdade para mim, meu ponto de vista exclusivo, minha forma de perceber e interpretar a vida, portanto não é verdade porque todas as interpretações são igualmente falsas, não se trata dos fatos em si e sim da forma como o fato foi percebido.

Caso você aprenda a escutar vai entender o que estou tentando comunicar.

Passo 2: não acredite em si mesmo

A mente nunca para, nem quando estamos dormindo. A mente é como um cavalo selvagem, se você não aprender a domá-la ela vai te levar para onde ela quiser.

Para que nos ocorra um pensamento é necessário que anteriormente haja uma crença sobre ele. É impossível que ocorra um pensamento sem crença.

Se partirmos do princípio de que nossas crenças não são nossas, as recebemos como uma espécie de herança dos nossos antepassados, reconheceremos que nossos pensamentos estão condicionados pela forma como eles perceberam as coisas.

Quase tudo em que pensamos é a repetição sem questionamento do que acreditaram nossos pais e avós. Validamos velhas definições apenas por obediência cega aos que nos antecederam na família.

Em sua maioria estas crenças são como pesadas malas que carregamos por toda vida, gerando pensamentos irracionais e comportamentos perigosos.

Se os pensamentos que nos ocorrem estão condicionados pela forma como os nossos familiares viveram seus dramas, não estamos pensando livremente.

Esta evidência nos ensina a não acreditar em nós mesmos, questionar sempre a origem do pensamento.

Passo 3: não acredite em ninguém

Não acredite em ninguém, pelas mesmas razões. O que os outros dizem é a verdade apenas para eles, e só.

É a forma como os outros experimentam a vida usando suas próprias crenças.

A verdade não necessita de defesa, sequer é necessário acreditar na verdade para que ela exista, porém, para que as mentiras existam é preciso que se acredite nelas.

O sol nasce todos os dias, independentemente de você acreditar ou não!

Se você não acreditar em você, não acreditar em mim e em mais ninguém, todas as mentiras desaparecerão e a verdade surgirá automaticamente.

Não vemos o mundo como ele é, vemos o mundo como somos!

Pratique sem moderação e descubra como vivemos perpetuando mentiras, matando e morrendo por elas.

1Comment
  • Cecilia
    Postado às 01:33h, 18 agosto Responder

    Deixando o aspecto filosófico de lado, meditar e esvaziar a mente é o que precisamos.para que a verdade venha à tona., não é ? Me fez lembrar, neste exato momento, que quando viajamos e tomados pela sensação de leveza, liberdade e descontração da mente que o horizonte nos proporciona ou nos conduz, o que vem à mente pode ser considerado uma verdade. Seria mais ou menos isso ou o limiar desta realidade.

Postar Comentário